Publication date: 11 November 2019

Ser negro na União Europeia Segundo Inquérito sobre Minorias e Discriminação na União Europeia - Resumo

O presente relatório apresenta resultados selecionados do segundo inquérito da FRA realizado em grande escala na UE sobre migrantes e minorias (EU-MIDIS II). Analisa as experiências de quase 6 000 afrodescendentes em 12 Estados-Membros da UE. Os resultados demonstram que, quase 20 anos após a adoção de leis da UE que proíbem a discriminação, os afrodescendentes na UE ainda são alvo de preconceito e exclusão generalizados e enraizados.

Downloads

Publication date: 15 November 2019

Being Black in the EU - Summary (452.08 KB)

Resumo

Os afrodescendentes integram o tecido social dos países da União Europeia (UE) há várias gerações. Desde 2000, a União tem vindo a promulgar legislação destinada a combater a discriminação racial e o crime racista, tendo sido envidados vários esforços políticos destinados a combater o racismo na UE.

Não obstante, por toda a UE, os afrodescendentes são alvo de preconceitos e exclusão generalizada e enraizada. A discriminação e o assédio racial são frequentes. As experiências de violência racista variam, mas atingem os 14%. A definição discriminatória de perfis por parte da polícia é uma realidade comum. Os obstáculos à inclusão são variados, sobretudo no que diz respeito à procura de emprego e de habitação.

O presente documento contém apenas algumas das conclusões do segundo inquérito da Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia (FRA) realizado em grande escala na UE sobre migrantes e minorias (EU-MIDIS II), que analisa, entre outros aspetos, as experiências de quase 6 000 afrodescendentes em 12 Estados-Membros da UE. Este resumo apresenta os principais resultados desse empreendimento.

Related